11 de mai de 2011

Depois de um sufoco, muitas vezes, nos deparamos com situações inusitadas e até engraçadas.
Semanas depois da instalação do sistema de monitoramento na praia de Sepetiba para  a Odebrecht, estava monitorando remotamente o serviço e percebi numa manhã, que em determinada hora, a imagem da câmera se alterava, caia para um lado; achei muito estranho.
No dia seguinte, a mesma  coisa, a imagem da câmera literalmente se inclinava para um dos lados e depois de um tempo, ele voltava para o lugar. Gelei, senti aquela sensação das pernas bambas, depois de anos de experiência nunca tinha visto nada parecido, o estranho é que acontecia de vez em quando, porém sempre no mesmo horário. Já imaginei o pior, prejuízo na certa, como iria explicar para o cliente esse fenômeno inexplicável!?.
Dias depois o telefone tocou na produtora, era o pessoal lá de Sepetiba, -"Waldemar, você não imagina o que está acontecendo lá no poste!"..., - Sim, eu imaginava que algo muito estranho estava acontecendo mas não sabia o que era, não podia falar nada, lá vinha bomba! "Waldemar os urubus da praia estão pousando em cima das câmeras e usando-a como toalete"; - Inacreditável, pensei comigo, Ainda bem que é um urubu..., Opa, espera ai, quanto pesa um urubu? eles vão quebrar o suporte da câmera, vai ser um desastre...
Alguns dias depois estava resolvendo o problema instalando em cima do poste um "Urubódromo", algo assim... lugar para urubu pousar sem incomodar minhas câmeras. Claro que tivemos a preocupação de fazer algo que não agredisse os urubus, será que eles pensaram o mesmo?  

Ainda bem que cada dia é um novo dia, como os negócios.